Como atuamos

Programação do dia 09/11 - quinta-feira


Aldeia Satélite Espaço Cultural

Rua Tenente Luís Fernando Lobo, 118 – São Miguel

 

20h – Espetáculo – “Lendário Negro: Memórias e Registros”

Desde sua chegada ao Brasil nos cruéis navios negreiros até os dias atuais, o povo afro luta por sua liberdade, seu passado, sua história e sua memória. Muitas dessas histórias estão presentes no cotidiano da sociedade brasileira em lendas, mitos e causos que envolvem a identidade negra. Em “Lendário Negro”, essas histórias são transformadas em cenas, imagens e sons, em um espetáculo no qual, por meio das linguagens artísticas, passado e presente se encontram de forma crítica, emocionante e reflexiva.

 

20h45 – Apresentação Musical – Yasmin Olí

Yasmin Olí é cantora, atriz e compositora paulistana, de Pirituba. Atitude e suingue imprimem o trabalho dessa jovem cantora. Com repertório de música negra, agrada com seu timbre marcante e agudos brilhantes. Uma sonoridade encorpada com nuances jazzísticas e muita personalidade.
 

Associação Esportiva e Cultural 100ZALA

Rua Maria Branca, 471 – São Miguel Paulista

 

19h às 21h30 – Jogos de Incentivo à Leitura, com Patrícia Bomfim e Tatiana Fraga

Nesta formação, serão apresentadas propostas de atividades de incentivo à leitura e de elaboração de projetos que podem ser realizadas por professores e educadores. Num primeiro momento, serão apresentados alguns materiais e roteiros educativos desenvolvidos a partir da metodologia do projeto Espaço de Leitura do Parque da Água Branca, que faz uso de jogos e brincadeiras como ferramentas de acesso ao livro e à leitura. Para finalizar, os participantes, em grupos, vão elaborar projetos para desenvolver seus próprios materiais, nesse caso, acompanhando a temática do Festival do Livro e da Literatura – Letras Pretas: poéticas de corpo e liberdade. Os materiais poderão ser aplicados posteriormente nos processos educativos dos participantes, nas escolas, instituições e espaços públicos.

Público: estudantes de Pedagogia

 

Biblioteca Raimundo de Menezes

Avenida Nordestina, 780 – São Miguel Paulista

 

10h – Contação de Histórias – “Menina Bonita do Laço de Fita”

Contação de histórias com Márcia Fonseca. Narração de histórias infantis diversas, entremeadas por canções e brincadeiras, na qual será narrada a história “Menina Bonita do Laço de Fita”, que conta a história de um coelhinho branco que sonhava em ser pretinho como a menininha linda da casa ao lado... uma história sobre cores, etnias, origem e amor.

 

14h30 – Oficina de Bonecas Abayomi

Confecção da tradicional boneca africana, feita com nós de retalhos de tecido, sem cola e sem costura, conhecida como Abayomi. Participe e aprenda a confeccionar essa boneca que faz parte da herança cultural dos negros africanos e afro-brasileiros.

 

Biblioteca Rubens Borba Alves de Moraes

Rua Sampei Sato, 440 – Ermelino Matarazzo

 

14h – Apresentação Musical – Roberta Oliveira & O Bando de Lá

Conhecida pela beleza da voz e expressividade no palco, a cantora Roberta Oliveira é tida atualmente como uma das revelações do samba paulista. Completando cinco anos de parceria musical com O Bando de Lá, a artista nascida em Campinas (SP) se destaca também pela singularidade do repertório, que traz influências do samba rural, cantigas de terreiro e sambas da velha guarda. O grupo Roberta Oliveira & O Bando de Lá surgiu em 2012 e, nesses cinco anos de trajetória, prova a importância da resistência artística de um conjunto que, mesmo inserido no contexto contemporâneo do samba, conquistou espaço e notoriedade pelo trabalho de pesquisa musical. Com seu repertório singular, a banda contribui para levar adiante uma herança musical por vezes esquecida ou até desconhecida pelo atual público da metrópole.

 

Biblioteca Vicente Paulo Guimarães

Rua Jaguar, 225 – Vila Curuçá


9h30 às 10h30 – 1° Mostra Ururaí de Cinema e Audiovisual – Curta-Metragem “Maria”

Maria é uma empregada doméstica que, após um longo dia de trabalho, se encaminha cansada para sua casa. No trajeto, ao entrar em um ônibus, ela encontra com Anderson, pai do seu primeiro filho, que os abandonou há anos. Anderson paga a passagem de Maria e se empenha em iniciar uma conversa que revela antigas feridas e abre novas. Essa é a história retratada no curta-metragem com direção de Vinicius Campos, que é de Embu das Artes (SP), bolsista formado em cinema pela Faap e realizador de audiovisual independente. Estudou Roteiro na Escuela Internacional de Cine y TV San Antonio de los Baños (EICTV), Fotografia na Zona Cinco Escuela de Cine y Fotografía e Vídeo Mapping no Instituto Tomie Ohtake. Produziu o lançamento do filme “Que Horas Ela Volta?”, de Anna Muylaert, e dirigiu o curta experimental “Causa e Efeito” e o clipe “Nosso Blues da Piedade”. Após a exibição, haverá uma roda de conversa entre o público e o diretor, Vinicius Campos, com mediação de Andrio Candido.

 

Casa de Cultura de São Miguel – Antonio Marcos

Rua Irineu Bonardi, 169 – Vila Pedroso

 

15h – Clubinho do Livro

Clubinho do Livro é um projeto de incentivo à leitura infantil. Acreditando nos livros como fonte de estímulo ao aprendizado e à ampliação do conhecimento, o Clubinho do Livro cria um espaço de convívio e troca em que crianças interagem com a leitura de diversas maneiras. As atividades incluem doação de livros, leitura de livros e oficina do livro coletivo. Nesse clubinho, as histórias que contaremos sempre terão como protagonistas crianças negras. As histórias serão contadas pelos arte-educadores e artistas plásticos Matheus Couto e Sheila Raiana. Eles também farão um livro coletivo com as crianças. A partir das histórias contadas, as crianças se inspiram e fazem as páginas desse livro, que será encadernado posteriormente.

 

Casa de Cultura Itaim Paulista

Rua Monte Camberela, 490 – Vila Silva Teles

 

14h – Dúdú Badé

Para o Dúdú Badé, viver a magia é criar pontes capazes de transportar a alegria e a riqueza presentes na diversidade dos mais diferentes sorrisos. Por isso, dialogar com a infância por meio do conhecimento e das possibilidades apresentadas pela cultura africana e afro-brasileira é o objetivo do coletivo ao desenvolver atividades que visam explorar a ancestralidade negra presente em nossos cotidianos, desmitificando-a de maneira lúdica.

 

CCA Parque Paulistano – SEPAS

Rua Santa Rosa de Lima, 701 – Parque Paulistano

 

10h – Contação de Histórias – Africontos, com Mapinguary

Ao som do tambor começamos as histórias. “Jesuína e a Cabeça Encantada”, uma lenda afro-brasileira de como surgiu o berimbau; “A Lenda do Tambor Africano”, conto popular da Guiné Bissal; “Bojabira, a Árvore Mágica”, que narra a história de uma misteriosa árvore, e, em seguida, a história de “Ananse e o Pote de Sabedoria”. No final, o público conhece a apresentação do boneco Chibamba.

 

Centro de Repouso São José Soares de Andrade

Rua Eulália Felisbela de Oliveira, 59 – Parque Paulistano

 

14h – Apresentação de Música e Poesia – Demonstração de Amor

Em homenagem aos idosos do Centro de Repouso, músicas e poesias serão apresentadas pelas idosas do NCI Irmã Suzanne Cros, que compartilharão vivências e memórias neste encontro de muita emoção.

 

CEU EMEF Vila Curuçá

Avenida Marechal Tito, 3400 – Jardim Miragaia

 

9h às 11h – Tingimento Artesanal

Com o uso de pigmentos naturais, os participantes serão orientados a tingir peças de algodão, como camisetas, faixas, bandanas, lenços, entre outros.

Público: alunos do CEU EMEF Vila Curuçá

 

CEU Parque São Carlos

Rua Clarear, 643 – São Miguel Paulista

 

9h30 – Teatro – Palavra e Movimento – Negritude em Ação

Apresentação de dança com a música “Pretas Panteras”, de Débora Garcia, que ressalta, nos movimentos, a força e o poder feminino negro.

Público: alunos do CEU Parque São Carlos

 

10h – Teatro – Apresentação de Dança – “A Carne”, com CCA Thiago Abdalla Fiuza

“A Carne” (intérprete: Khrystal Saraiva) é uma reflexão sobre a discriminação e a marginalização do cidadão negro pela cor de sua pele, vendidos como escravos, açoitados e trazidos para o Brasil como mercadoria, e não como seres humanos. Nesta apresentação, a poética lembrança e afirmação de que negro é meu sangue, é o seu sangue, é a herança de lutas, esperança de vitórias e triste medo de futuros retrocessos sociais.

10h10 – Teatro – Apresentação de Dança – “Testando”, com CCA Thiago Abdalla Fiuza

Apresentação de dança livre com Ellen Oléria na qual, numa mescla de dança contemporânea e hip hop, a coreografia transita entre os estilos, revelando imagens diversificadas da realidade cotidiana de moradores das grandes periferias e a discriminação sofrida por estes.

 

10h30 – Teatro – Palavra e Movimento – Negritude em Ação

A literatura periférica tem cada vez mais voz e vez nas vivências escolares da EMEF Parque São Carlos e, por esse motivo, os alunos realizarão um sarau biográfico homenageando poetas e escritores dessa literatura, com o objetivo de oferecer aos alunos presentes a oportunidade de desenvolver sua própria identidade. Para uma participação especial, foram convidados pelos alunos poetas já consagrados moradores da região de São Miguel Paulista.

Público: alunos do CEU Parque São Carlos

 

14h – Espaço Externo – Cantinho da Leitura

Será montado um cantinho da leitura com os livros infantis que refletem sobre a temática étnico-racial. A leitura de alguns deles será feita pelos alunos das turmas de 2° ano do Ensino Fundamental I da EMEF Parque São Carlos.

 

15h – Oficina e Exposição – Bonecas Abayomi

As bonecas Abayomi (palavra que, em iorubá, quer dizer “encontro precioso”) eram feitas com retalhos retirados das saias das mães, para acalentar seus filhos durante as viagens nos navios negreiros. Essa atividade tem como intuito refletir sobre esse momento histórico do Brasil, conversar sobre ancestralidade e valorizar a diversidade cultural.

 

15h e 17h – Biblioteca – Contação de História – “O Mundo no Black Power de Tayó”, de Kiusam de Oliveira

Realizaremos contação de história do livro “O Mundo no Black Power de Tayó” e, na sequência, reflexão e roda de conversa com as crianças. Tayó é uma menina negra que tem orgulho do cabelo crespo com penteado black power e o enfeita das mais diversas formas. Nesta contação de histórias, conheceremos uma personagem cheia de autoestima, capaz de enfrentar as agressões e atitudes racistas dos colegas de classe, que dizem que seu cabelo é “ruim”. Mas, como pode ser ruim um cabelo “fofo, lindo e cheiroso? Vocês estão com dor de cotovelo porque não podem carregar o mundo nos cabelos”, responde a garota para os colegas.

Público: alunos do CEU Parque São Carlos

 

16h – Oficina de Petecas

A peteca teve sua origem no Brasil durante a colonização quando as tribos tupi tinham o costume de jogar e se divertir com esses brinquedos. Inspirados no Agosto Indígena, serão confeccionadas petecas com os participantes e haverá uma contextualização sobre o assunto.

 

16h – Teatro – “Menina Bonita do Laço de Fita”

Uma releitura da obra “Menina Bonita do Laço de Fita”, que conta a história de um coelhinho branco que sonhava em ser pretinho como a menininha linda da casa ao lado. Esta apresentação será realizada com os alunos da escola como seus personagens.

 

17h – Sala de Leitura – Teatro de Fantoches

Teatro de fantoches envolvendo a temática étnico-racial com criação e participação dos alunos das turmas do 4° ano A e B. Será desenvolvido com o uso de bonecos adaptados, que farão a apresentação com um cenário.

 

CEU Três Pontes

Rua Capachos, 400 – Jardim Romano

 

14h – Contação de História – “O Mundo no Black Power de Tayó”, de Kiusam de Oliveira
Tayó é uma menina negra que tem orgulho do cabelo crespo com penteado black power e o enfeita das mais diversas formas. Nesta contação de histórias, realizada pelo Núcleo de Cultura e Biblioteca do CEU Três Pontes, conheceremos uma personagem cheia de autoestima, capaz de enfrentar as agressões e atitudes racistas dos colegas de classe, que dizem que seu cabelo é “ruim”. Mas, como pode ser ruim um cabelo “fofo, lindo e cheiroso? Vocês estão com dor de cotovelo porque não podem carregar o mundo nos cabelos”, responde a garota para os colegas. A atividade ocorrerá na área externa do CEU.

16h – Cia. Casa das Marias – “As Lágrimas de Ewá”

Debaixo de um sol escaldante, Ewá canta, dança, narra a transformação do seu corpo em rio de água cristalina, que salvará seus filhos da morte. Esta história é sempre lembrada pelos povos da África quando se quer falar do limite do amor materno.

EE Deputado João Dória

Rua José Alves Irmão, 30 – Itaim Paulista

 

9h15– Leitura de Poesia: A Droga do Racismo

O racismo é um mal imensurável e por meio das palavras do aluno e poeta Diogo Elias surge a metáfora “a droga do racismo”, que traz a associação desse ato de discriminação a um vício maléfico que pode causar danos irreparáveis.


9h35 – Ame Mais, Julgue Menos

Apresentação de dança cênica da música “Indestrutível”, Pabllo Vittar, com o intuito de dar destaque ao gênero pop drag, mostrar o sentimento LGBT e a força, apesar dos preconceitos e dificuldades, e a confirmação de que o amor é para todos, independente da forma de amar.


8h45 – Varal Poético: Castro Alves, o Poeta Abolicionista

O varal poético é um recurso pedagógico para representar a literatura de forma lúdica nos mais diversos tipos de poesias do contexto histórico. A exposição tem o objetivo de estimular o prazer, a leitura de poemas, trabalhar a sensibilidade e incentivar a formação de grupos, cujos integrantes aceitam e respeitam as diferenças através das palavras impactantes do poeta brasileiro Castro Alves, que denuncia a crueldade da escravidão.

 

9h20 – A natureza da dança

O grupo de dança convidado, formado pela professora Talita, seu parceiro de dança e seus alunos, irão apresentar a dança pop como uma referência do trabalho realizado em busca incentivar as ações voluntárias aos próprios alunos, levando a dança a ter um contato maior com a escola e a comunidade.

 

9h40 – Roda de Conversa – Primata, com Anderson Carlos

O grafiteiro Anderson Carlos, abre espaço para contar sua experiência artística e mostrar seu trabalho, produzindo um grafite com um símbolo conhecido pelas ruas da cidade, O Primata. O artista estabelece uma relação da personagem com a luta contra a exploração da acumulação primitiva, conceito elaborado por Karl Marx, ou seja, a luta contra a concentração de meios financeiros nas mãos burguesas e a exploração das classes trabalhistas.


10h – Revolução Diária: Das Margens da Sociedade para o Mundo

Nascido na zona leste de São Paulo, o rapper RÓÓH R.D. (20 anos) canta há aproximadamente quatro anos e tem a música como refúgio para tudo o que considera ruim. Vindo de uma família pobre, sempre buscou seu sonho, mesmo não tendo o apoio necessário e, através dessa linguagem e da composição da música “Vou Vencer”, ele relata o que vivenciou para seguir seu objetivo de vida.


10h – Sarau – Valorização da Identidade Negra

A escola precisa colocar os alunos em contato com os elementos que formam cada grupo brasileiro, para que eles sejam capazes de compreender a complexidade dessas identidades e, assim, se afirmarem como cidadãos conscientes de seus direitos e deveres. A valorização dos personagens negros é fundamental para incorporar a auto estima no aluno. Neste sentido, esta atividade tem por objetivo valorizar personagens negros enfatizando as mulheres negras. Com esse intuito o Sarau irá abordar essa temática e, neste dia, será realizada a construção de painéis com mulheres que simbolizam a força da cultura negra.


10h40 – Equipe Ekilibryos de Taekwondo (TKD)

O taekwondo (TKD) é uma arte marcial coreana criada em meados do século XX. Foi fruto da sistematização de antigas lutas praticadas na península da Coréia a mais de dois milênios. É um estilo de luta que dá ênfase ao combate solto (sem agarrar) por meio da qual aprimora-se a velocidade, a movimentação e as técnicas de mãos e pés. Mesmo tendo sido criada no século passado, o TKD já surgiu com objetivos contemporâneos. É estudado tal qual uma ciência, pode ser praticado como esporte ou usado para melhora da saúde física e/ou mental. No caso das crianças e jovens, ele ajuda a introjetar virtudes como a socialização, o autocontrole, a boa educação e a autoconfiança.


11h10 – Nhandereko Arandu: Memória Viva

Apresentação de um curta-metragem documental que aborda sobre parte da vivência e resistência dos Indígenas Guaranis Mbya, da Aldeia Tekoa Pyau. Realizado pelo Coletivo Bambuá, um grupo de mulheres periféricas do extremo Sul de São Paulo formado por Amanda Daphne, Jaqueline Phelipini, Lilian Rosa, Natalia Matarazzo e Sheila Signário.
Alinhando conjuntamente à exposição fotográfica Plântula, que foi realizada durante o registro do filme, por Jaqueline Phelipini. Após a exibição/exposição, teremos uma roda de conversa com o grupo de rap Oz Guarani, com pocket show.

 

12h10 – Carimbó

Das raízes negras e indígenas, o carimbó é um gênero de dança que passou por censura devido às suas origens. Ressurgindo como música regional, é um ritmo influente que faz nascer outros estilos, tornando-se uma expressão e patrimônio cultural brasileiro. Para relembrar sua importância, alunos do Ensino Médio convidam todos a dançar.


12h15 – Simplesmente Amar

Apresentação de dança cênica, utilizando o estilo contemporâneo com interpretação da música “A lenda”, de Sandy, para demonstrar a importância de sentimentos como o respeito e o amor. A ênfase ao sentimento é com foco no trabalho de aceitação e redução da intolerância à diversidade sexual.

 

15h30 – Encontro com a Autora Cristina Aro: Recital Poético

Recital de poesias e conversa com a poetisa Cristina Aro, autora dos livros “10 Contos da Vida Alheia”, “Torvelinho” entre outros.


15h30 – Sarau – Valorização da Identidade Negra

A escola precisa colocar os alunos em contato com os elementos que formam cada grupo brasileiro, para que eles sejam capazes de compreender a complexidade dessas identidades e, assim, se afirmarem como cidadãos conscientes de seus direitos e deveres. A valorização dos personagens negros é fundamental para incorporar a auto estima no aluno. Neste sentido, esta atividade tem por objetivo valorizar personagens negros enfatizando as mulheres negras. Com esse intuito o Sarau irá abordar essa temática e, neste dia, será realizada a construção de painéis com mulheres que simbolizam a força da cultura negra.


 

15h50 – O Trabalho Infantil e a Marginalização da Infância – Conceitos e Pré-Conceito

Lavar louça, arrumar a cama... é trabalho infantil? Estrelar comerciais, novelas filmes... é trabalho infantil? Vender bala nos faróis, fazer malabarismo pela cidade... é trabalho infantil? Refletir sobre essas questões e as atividades pertinentes à infância nortearam discussões e debates na sala de aula, que foram regados por arte na apreciação discursiva das obras “Cenas de Rua”, de Ângela Lago, e “Relampeando”, de Lenine, e suas releituras serão apresentadas ao público.

 

16h – Equipe Ekilibryos de Taekwondo (TKD)

O taekwondo (TKD) é uma arte marcial coreana criada em meados do século 20. Foi fruto da sistematização de antigas lutas praticadas na península da Coréia a mais de dois milênios. É um estilo de luta que dá ênfase ao combate solto (sem agarrar) por meio da qual aprimora-se a velocidade, a movimentação e as técnicas de mãos e pés. Mesmo tendo sido criada no século passado, o TKD já surgiu com objetivos contemporâneos. É estudado tal qual uma ciência, pode ser praticado como esporte ou usado para melhora da saúde física e/ou mental. No caso das crianças e jovens, ele ajuda a introjetar virtudes como a socialização, o autocontrole, a boa educação e a autoconfiança.

 

16h30 – “Dom Quixote de La Mancha”

A peça teatral apresenta as aventuras de Dom Quixote e Sancho Pança na versão do musical “O Homem de La Mancha”, de Miguel Falabella. O roteiro chama a atenção para questões como a loucura, o abandono, o abuso sexual e a prostituição, mescladas ao humor das personagens e as músicas que constituem a história. Com adaptações inseridas pelos alunos do grupo de teatro Sintonia das Artes, da EE Deputado João Dória, o espetáculo ainda mistura a linguagem do teatro e da música com a arte do circo. Uma apresentação imperdível!

 

 

EMEF Antonia e Artur Begbie

Rua Ilha de Maruí, 100 – Jardim Campos

 

10h às 14h – Vozes de Todos os Tempos: a Influência Negra na Música Popular

Venha se divertir e se emocionar com a apresentação do Coral Escolar, da Orquestra Assaph e da Banda Soul Black.

EMEF Dr. Pedro Aleixo

Rua Pau-d’Arco Roxo, 340 – Jardim Pedro José Nunes

 

10h – Agô Performance Negra: Banzo

Por meio da legitimação, valorização e conscientização da história dos negros no Brasil, Banzo propõe diálogos e interações com o público, buscando difundir uma arte negra contemporânea. A presença performática de três artistas negros em cena, com marcas, elementos e experiências diaspóricas, em que suas histórias/corpos são discursos e memórias de extrema potência, tanto estética quanto social.

 

16h – Contação de Histórias – “Passando Histórias da África”, com Malas Portam

A Mala Invisível apresenta ao público uma incrível bagagem com quatro lindas histórias contadas e sentidas ao som do instrumento africano djembê. A primeira, “Baú das Histórias”, revela como todas as histórias se espalharam pelos quatro cantos do mundo. A segunda, a fábula “Krokô e Galinhola”, narra a história de uma galinha-d’angola muito astuta, que se livra de virar almoço de um crocodilo. Na sequência, “A Origem do Tambor” conta como o tambor veio parar aqui na Terra. Por último, “O Ser mais Poderoso” é sobre um gato que caminha pela savana procurando o ser mais poderoso e, quando o encontra, fica surpreso com a resposta. Para se despedir, cantamos “Escravos de Jó” ao som do djembê.


EMEF Euzébio Rocha Filho

Rua Amparo da Serra, s/n – Parque Dom João Neri

 

8h – Sessão de Cinema – Questão Racial em Debate

Nesta mostra de vídeos, serão exibidos documentários que tratam da questão racial. Em seguida, haverá roda de conversa e debate sobre o tema.

Público: alunos da EMEF Euzébio Rocha Filho

 

10h – Encontro com a Autora – Sarau da Escola recebe Débora Garcia

Declamação de poesias da autora Débora Garcia realizada pelos alunos da escola seguida de roda de conversa com a escritora, que é poetisa, cantora, atriz, gestora cultural e assistente social formada pela Unesp. Débora também desenvolve e participa de projetos culturais nos quais trabalha com literatura, música e teatro, suas áreas de atuação, e publicou seus textos em diversas antologias voltadas à literatura negra e periférica.

Público: alunos da EMEF Euzébio Rocha Filho

 

EMEF José Honório Rodrigues

Rua do Pombo Correio, 50 – Jardim dos Ipês


8h às 11h – Oficina de Tranças Afro

Com base no conceito de práticas de leitura diária em sala de aula e do letramento, a oficina visa ampliar o conhecimento em relação à cultura africana e suas contribuições em todas as esferas da sociedade. Serão desenvolvidas diversas leituras referentes ao tema em questão, como os livros “Histórias da Preta”, de Heloisa Pires Lima, “Cartas entre Marias”, de Maria Isabel Leite, “Africanidades”, de Antônio Farias Leite, entre outros. Com o objetivo de trazer reflexões sobre as relações étnico-raciais e, em especial, o racismo. E terá como produto final “Oficina de Tranças Afro” e textos de autoria dos alunos do 5° ano A.

 

14h – Exibição de Vídeo – “A Vitória de Ivanete”

Um momento para compartilhar histórias, memórias e afetos. Com este emocionante depoimento, conheceremos a história de Ivanete, mulher, negra, moradora do Itaim Paulista que superou as adversidades da vida, problemas familiares e outros entraves, e que, mesmo diante dos desafios, conseguiu voltar a estudar.

 

15h – Jogo Mancala Awele

Mancala awele é um jogo milenar que requer o raciocínio lógico. Nesta versão do jogo, poderemos descobrir a influência africana no nosso idioma, desvendando o significado de nomes de origem africana. Serão mais de 200 nomes para conhecer. Durante o jogo, haverá distribuição de dicas literárias indicadas pelos alunos e professores da EMEF José Honório Rodrigues.

 

EMEF Antônio Carlos de Andrada e Silva e EMEF Pedro Fukuyei Yamaguchi Ferreira

Esquina das ruas Faveira do Mato e Baltazar Santana – Jardim Planalto

 

As EMEFs Antônio Carlos de Andrada e Silva e Pedro Fukuyei Yamaguchi Ferreira prepararam para o Festival do Livro e da Literatura de São Miguel deste ano a programação “Histórias Negras, Negras Histórias: Ditas, Contadas e Cantadas”, que será apresentada na Esquina Literária.

 

Confira

11h – Contação de Histórias – “As Lágrimas de Ewá”, com Cia. Casa das Marias

Sob um sol escaldante, Ewá canta, dança, narra a transformação do seu corpo em rio de água cristalina, que salvará seus filhos da morte. Esta história é sempre lembrada pelos povos da África quando se quer falar do limite do amor materno.

 

12h – PoetizaAÇÃO

Poesia em ação! Os estudantes, ao longo de pesquisa realizada no acervo literário da sala de leitura da escola, escolheram com muito amor e carinho poesias a serem oferecidas ao público. Venha participar, traga sua poesia, pegue seu violão e venha para uma PoetizaAÇÃO na Esquina Literária!

15h – Espetáculo Teatral – “Deu a Louca no Clima”, com o Grupo Teatracas – Faz de Conta que É Teatro, da EMEF Antônio Carlos de Andrada e Silva

“Deu a Louca no Clima” é o roteiro de autoria da aluna Vitória da Costa Soares, do 8° ano da EMEF Antônio Carlos de Andrada e Silva. A estudante há três anos participa do projeto Mais Educação, atuando nos espetáculos, e, neste ano, pediu para sair do palco e passou a escrever e dirigir a peça. Vitória coloca em cena princesas que estão enfrentando altas temperaturas e calor intenso no mundo das fadas. Quem poderá ajudá-las?

Público: infantil

 

19h – Apresentação Teatral – “A Comunidade Nossa de Cada Dia”, com alunos da EMEF Antônio Carlos de Andrada e Silva

Apresentação de três esquetes/drama. Foram referência para esta montagem as canções “Meu Guri”, de Chico Buarque, e “O Pobre e o Rico”, de Carolina Maria de Jesus. A última apresentação realizada pelo grupo de alunos toca num imaginário de religiosidade de matriz africana e revela preconceitos e também a violência contra a mulher existente em nossa sociedade por razões de desigualdade de gênero.

Público: juvenil e adulto

 

19h30 – Roda de Conversa – Diálogos Contemporâneos – O Racismo e o Machismo em Pauta

Roda de conversa com estudantes, o grupo musical As Despejadas, Maria Aparecida Freitas e Ramatis Jacino. O grupo musical As Despejadas é composto por jovens musicistas da região de Guarulhos que trazem, no seu cotidiano musical, o enfrentamento ao machismo, racismo e demais formas de opressão. Maria Aparecida Freitas é professora da rede municipal de ensino, militante do Movimento Negro e Feminista, que também compõe a direção do SINPEEM. Ramatis Jacino é professor do bacharelado em Ciências Econômicas da UFABC. É mestre e doutor em História Econômica pela FFLCH-USP e é autor de “O Branqueamento do Trabalho” e “Transição e Exclusão”, livros que abordam a marginalização econômica e social a que os negros foram relegados no final da escravidão.

 

EMEI Graciliano Ramos

Rua Guirapá, 478 – Vila Curuçá

 

9h30 e 15h – Sessão Simultânea de Leitura

Quem não gosta de ouvir histórias? É pensando nisso que a EMEI Graciliano Ramos realizará sessões simultâneas de leitura com os alunos da escola, reconhecendo a importância que o universo da literatura tem para o nosso aprendizado e desenvolvimento. Para esta atividade, o professor da escola apresentará as resenhas, e as crianças escolherão a história que desejam ouvir, anotando seu nome naquela de sua preferência. Em seguida, serão direcionadas para os locais das sessões escolhidas. Durante a leitura, será feita uma apresentação do autor, ilustrador e coleção, na qual vai se criar também um espaço para que as crianças troquem opiniões e impressões sobre o enredo.

Público: alunos da EMEI Graciliano Ramos

 

15h – Contação de História, com Marcos Conceição

O contador de histórias resgata uma tradição milenar de povos que transmitiam seus conhecimentos por meio da oralidade. Os contos da tradição oral do Brasil e da África estão repletos de ensinamentos e aventuras.

Público: alunos da EMEI Graciliano Ramos

 

EMEI Maria Quitéria

Rua Marfim Vegetal, 126 – Jardim Maia

 

13h, 15h e 17h – Oficina de Fanzine, com Lucas Rocha

Os participantes aprenderão a criar um pequeno fanzine, confeccionado com recorte, colagem e xérox! Desenhando, escrevendo e usando a imaginação, poderão colocar pequenos textos, poemas, história em quadrinhos ou o que mais interessar!

Público: alunos da EMEI Maria Quitéria

 

Fábrica de Cultura da Vila Curuçá

Rua Pedra Dourada, 65 – Jardim Robru

 

15h – Oficina de Fanzine, com EMEF Euzébio Rocha Filho

O Ateliê da Fábrica de Cultura da Vila Curuçá ministrará uma oficina criativa de produção de fanzine inspirada no Festival do Livro e da Literatura de São Miguel deste ano, trazendo para a reflexão com o público as intersecções entre as questões étnico-raciais e a literatura. A oficina será aberta para toda a comunidade.

 

Galpão de Cultura e Cidadania

Rua Serra da Juruoca, 112 – Jardim Lapenna

 

15h às 19h – Tudo Junto e Misturado no Galpão de Cultura e Cidadania

Roda de conversa, música, poesia e futebol, tudo junto e misturado na busca de intercambiar saberes e experiências que fortaleçam a cooperação, convivência, exposição de fotografias, diálogo, respeito e promoção da diversidade. Vamos bater um papo sobre desigualdade racial em uma peleja poética com a participação da Daiany França, Vinera e Nego Panta. Esta ação, desenvolvida em parceria com o Projeto Toque de Letras, apoiado pelo Football for Hope FIFA, integra a programação do 8° Festival do Livro e da Literatura de São Miguel. Daiany França Saldanha participa do Instituto Esporte Mais (IEMAIS), organização da sociedade civil fundada em 2014 por jovens sonhadores. Desde então, tem atuado pela dignidade humana e em defesa dos direitos das pessoas, por meio de projetos de desenvolvimento humano, empoderamento das mulheres e qualificação profissional. Vinera, cantor e compositor paulistano, nascido e criado na zona leste de São Paulo. Vem se apresentando em palcos Brasil afora desde o fim dos anos 1990, quando ainda tinha 15 anos de idade. Negro Panta, integrante da Família Tramóia, um grupo de rap fundado em 2007 no bairro de União de Vila Nova, São Miguel Paulista, com a união de três amigos que sempre estavam participando e organizando eventos e trabalho social nas comunidades.

 

Instituto Alana – Biblioteca Espaço Alana

Rua Erva do Sereno, 642 – Jardim Pantanal

 

10h às 16h – Frutos Literários

A comunidade do Jardim Pantanal amanhecerá respirando literatura com mais esta intervenção. Diversos livros semeados nas árvores estarão esperando pela colheita dos moradores e, com eles, também serão distribuídas poesias da literatura de cordel e marcadores de páginas para quem quiser despertar a imaginação e resgatar memórias.

 

14h às 16h – Apresentação Musical – “Nau Frágil em Auto-Mar”, com Rafa Carvalho

Nesta versão híbrida de seu projeto musical “Nau Frágil”, o poeta Rafa Carvalho abandona palco e banda para uma partilha mais íntima, que remonta às tradições das rodas griô. Um encontro, circular e cíclico; fluido, como o mar.

 

Mercado Municipal de São Miguel

Avenida Marechal Tito, 567 – São Miguel Paulista


15h – Sarau Filhos de Ururaí recebem Bia Doxum

Bia Doxum nasceu em 29 de outubro de 1997 para arrancar, ainda aos seus 20 anos, suspiros dos amantes de boas composições (e reflexões), marcadas pela voz imponente, que expressa sua grandeza como militante e ativista, utilizando uma linguagem contemporânea e um discurso político social bastante incisivo. Junto ao Sarau Filhos de Ururaí, organizado por Andrio Candido, Lucas Afonso e Rafael Carnevalli, traz a mistura de linguagens, da poesia ao rap. Poetas e atores da periferia de São Paulo, os Filhos de Ururaí fazem intervenções nos vagões da CPTM.

 

Ocupação Cultural Mateus Santos

Avenida Paranaguá, 1633 – Ermelino Matarazzo


18h – Base Móvel do Centro de Referência LGBT recebe o Coletivo Acuenda e o Slam do Prego
O Brasil é o país que mais mata travestis e transexuais no mundo. Além disso, quase 54% da população do país é negra, porém, frequentadores de terreiros de umbanda e candomblé são os mais marginalizados. Quem compõe a cultura popular do Brasil? Quais são os privilégios de uma bixa preta, pobre e marginalizada? Essa discussão estará sendo abordada pelo Coletivo Acuenda, que vai trazer o Cabaré d’Água apresentando suas performances drags. A poesia falada será por conta do Slam do Prego (batalha de poesia), no qual qualquer pessoa pode se inscrever para participar, basta ter poemas autorais que não ultrapassem o tempo de 3 minutos em sua execução. O microfone estará aberto para quem quiser se expressar com sua poesia.
 

Praça Padre Silvano Rossi

Em frente à Igreja Matriz Nossa Senhora Aparecida (entre as Ruas Santa Catarina, 827 e Rio Biguaçu, 625) – União de Vila Nova

 

9h às 11h – Roda de Conversa, com Projeto Ébano, Claudia Adão e Centro Social Marista Irmão Justino

O Centro Social Marista Irmão Justino realizará uma conversa com Claudia Adão, do Projeto Ébano, sobre como promover relações que oportunizem a partilha das potencialidades dos territórios e suas diferentes nuances, por meio do olhar crítico sobre a construção histórico-social que constitui a realidade do negro no país. Claudia Rosalina Adão é assistente social do Centro Social Marista Irmão Justino, especialista em gestão de projetos sociais, mestra do Programa de Mudança Social e Participação Política da EACH-USP. Faz parte da rede Quilombação, de ativistas antirracistas. Também desfilou como porta-bandeira das escolas de samba Flor de Vila Dalila e Camisa Verde e Branco.

 

Praça do Forró

Praça Padre Aleixo Monteiro Mafra – São Miguel Paulista


10h – Slam Fluxo recebe coletivo Calcâneos 

O Slam Fluxo é uma batalha de poesias, especificamente feito na rua, em locais itinerantes pela cidade de São Paulo. Nessa edição o fluxo contará com a presença do coletivo Calcâneos. Coletivo de dança de São Miguel que apresentará o espetáculo “Carmen” que traz uma pesquisa corporal sobre o suicídio da personalidade, a partir do discurso de Émile Durkheim, em que o corpo invade o pensamento e surge o questionamento “Quantas vezes matamos a nós mesmos?”, resignificando as dores e pensamentos, “Carmen” tem diversas facetas e interpretações, no qual o fim dessa história pode ser um começo.

 

10h – Sarau do Peixe recebe Slam Uma Tacada Só, do Coletivo Estopô Balaio

O Sarau do Peixe acontece todo penúltimo sábado do mês, a partir das 17h. Ele é coordenado pelo artista Edson Lima. Além de homenagear um poeta da quebrada a cada mês, o Sarau do Peixe ainda realiza o mini-slam Uma Tacada Só, que vale vaga para o Circuito SP de Slams. É um espaço em que o encontro entre artistas e comunidade é a principal pulsão para a poesia. A garagem da sede do Coletivo Estopô Balaio e a rua são nossos territórios.

 

Praça Morumbizinho

Praça Fortunato da Silveira (em frente à Universidade Cruzeiro do Sul) – São Miguel Paulista

 

9h às 10h15 – Contação de Histórias – Heroínas Negras Brasileiras, com Cia. Alcina da Palavra
A Cia. Alcina conta histórias de personalidades femininas presentes no livro “Heroínas Negras Brasileiras em 15 Cordéis”, de Jarid Arraes, e de mulheres negras que fizeram a história do Brasil, como a escritora Carolina Maria de Jesus; Dandara dos Palmares, que lutou contra a escravidão; Maria Firmina dos Reis, primeira romancista brasileira; e Tia Ciata, referência histórica no samba e no candomblé no Brasil. A Cia. Alcina da Palavra nasceu do encontro de artistas, atores e contadores de histórias com o objetivo de produzir e realizar pesquisas para promover contações de histórias, oficinas, mediação de leitura e literatura interativa. A pesquisa do grupo tem como base a valorização da cultura popular por meio de histórias de tradição oral e da literatura infantil.

 

9h às 9h30; 9h40h às 10h10; 10h20 às 10h50; 11h às 11h30; 13h às 13h30; 13h40 às 14h10; 14h20 às 14h50; 15h às 15h30; 15h40 às 16h10 – Contos Africanos – Árvore da Palavra e da Vida, Múltiplas Histórias de Duas Sementinhas

Em ambiente lúdico, criado dentro da tenda, as crianças serão transportadas à África, seus costumes e tradições. Sentadas ao redor do grande baobá ou, se preferirem assim chamar, do embodeiro, ouvirão as histórias adaptadas do livro “A Semente que Veio da África”, de Heloísa Pires Lima, as aventuras de duas sementinhas que cresceram em lugares distintos; suas semelhanças, diferenças e valor que têm para o seu povo. A cada início e término da contação de histórias, as crianças serão convidadas pelos alunos do curso de Letras da Universidade Cruzeiro do Sul a repetir o ritual do povo africano, pronunciando em coro a expressão karigana ua karigana. Os ramos da grande árvore estarão à espera das crianças que a enfeitarão com palavras, formando o baobá, a árvore da palavra, ou com desenhos que representarão o embodeiro, a árvore da vida.

Público-alvo: crianças de 4 a 10 anos. Limite: 20 crianças por sessão

Agendamento: Universidade Cruzeiro do Sul, Campus São Miguel, curso de Letras. Telefones: 2037-5755 ou 2037-5756, falar com Lucas (manhã) ou Isabelle (tarde)

 

9h às 9h30; 9h40 às 10h10; 10h20 às 10h50; 11h às 11h30; 11h40 às 12h10; 14h às 14h30; 14h40 às 15h10; 15h20 às 15h50; 16h às 16h30; 16h40 às 17h10 – Plantão do Festival: Notícias sobre as Letras Pretas

Em formato de telejornal ao vivo, jornalistas, interpretados por alunos do curso de Pedagogia e de Letras da Universidade Cruzeiro do Sul, vão noticiar fatos e curiosidades sobre a vida e a obra de autores negros, desde os clássicos, Machado de Assis e Cruz e Souza, até os escritores contemporâneos, como Conceição Evaristo, Kiusam de Oliveira, Carolina Maria de Jesus, Fátima Trinchão, entre outros. Após as notícias, na hora do comercial, o público será convidado para um jogo de tabuleiro interativo que abordará questões sobre as matérias do telejornal, a fim de despertar o interesse pela leitura das obras dos autores negros, bem como divulgá-las.

Público-alvo: crianças a partir de 10 anos, jovens e adultos. Limite: 20 pessoas por sessão

Agendamento: Universidade Cruzeiro do Sul, Campus São Miguel, curso de Letras. Telefones: 2037-5755 ou 2037-5756, falar com Lucas (manhã) ou Isabelle (tarde)

 

9h às 9h30; 9h40h às 10h10; 10h20 às 10h50; 11h às 11h30; 13h às 13h30; 13h40 às 14h10; 14h20 às 14h50; 15h às 15h30; 15h40 às 16h10 – O Negro na História Fazendo História

As crianças e os jovens serão recebidos ao som de um atabaque e cumprimentadas com expressões em iorubá. Depois disso, os alunos do curso de Letras da Universidade Cruzeiro do Sul convidarão o público para entrar na máquina do tempo, onde será questionado e levado a uma viagem ao passado, anterior à escravidão. Passando por corredores, o público será guiado a assistir a uma encenação baseada na história “Elevador a Serviço”, de Cristiane Sobral, na qual serão discutidos temas como escravidão e racismo. Depois, um guia conduzirá o público a uma experiência sensorial, com músicas e imagens da cultura africana, que o levará, no final da atividade, a identificar os protagonistas da história. Ao saírem da tenda, as crianças e os jovens escreverão um pedido em um pedaço pequeno de papel e amarrarão na árvore que simbolizará os desejos e a vida.

Público-alvo: infantojuvenil (de 3 a 14 anos). Limite: 15 pessoas por sessão

Agendamento: Universidade Cruzeiro do Sul, Campus São Miguel, curso de Letras. Telefones: 2037-5755 ou 2037-5756, falar com Lucas (manhã) ou Isabelle (tarde)

 

9h10 às 9h35; 10h às 10h25; 11h às 11h25; 11h35 às 12h; 13h35 às 14h; 14h15 às 14h40; 15h10 às 15h35; 16h às 16h25; 16h40 às 17h05 – Histórias Negras: o que Monteiro Lobato não Contou sobre Tia Nastácia e Tio Barnabé

A proposta desta atividade é uma pequena releitura do “Sítio do Pica-Pau-Amarelo”, que será recontado a partir das vozes das personagens Tia Nastácia e Tio Barnabé, que são pouco descritos no decorrer da história principal. Pouco se sabe sobre a vida deles, suas origens e família. Nesta adaptação, criada pelos alunos do curso de Letras da Universidade Cruzeiro do Sul, esses personagens serão protagonistas e vão contar um outro lado da história.

Público-alvo: crianças a partir dos 4 anos, jovens e adultos. Limite: 20 pessoas por sessão

Agendamento: Universidade Cruzeiro do Sul, Campus São Miguel, curso de Letras. Telefones: 2037-5755 ou 2037-5756, falar com Lucas (manhã) ou Isabelle (tarde)

 

9h30 às 11h30 – Encontro na Praça – Cia. do Mar e EMEF Professor José Bento de Assis

O ator Claudio, da Cia. do Mar, apresenta a contação de história “História da Água” e recebe os alunos da EMEF Professor José Bento de Assis para realizar um lindo encontro artístico na praça. A Cia. do Mar foi pesquisar relatos de nações indígenas que habitam a Região Norte do Brasil para produzir o espetáculo “História da Água”. Nele, são narradas as seguintes histórias: “Jurity, a Mãe dos Rios”, “A Serpente Arco-Íris”, “A Criação da Lagoa Tafununu”, “O Sono do Rio”, “O Marido da Mãe d’Água” e “A Primeira Água”. Esses relatos pertencem às nações indígenas que ocupam os estados do Pará, Tocantins, Amapá, Amazonas e Roraima. Neste encontro, a EMEF Professor José Bento de Assis traz duas apresentações imperdíveis. No teatro “O Mágico de Oz”, você vai se emocionar com Dorothy, uma garota que enfrentará diversas aventuras, sempre muito determinada e forte psicologicamente. Vamos assistir um a espetáculo de inteligência, bondade e coragem. Em seguida, será apresentado o musical “Aquarela do Brasil”, que, para muitos, é como um segundo hino do Brasil. A letra, escrita por Ary Barroso em 1939, retrata a miscigenação do Brasil em versos.

 

10h às 16h – BiblioSesc

O BiblioSesc é um projeto de incentivo à leitura que oferece gratuitamente o empréstimo e a consulta de livros, jornais e revistas. No Festival do Livro e da Literatura de São Miguel, o BiblioSesc disponibilizará seu acervo para consulta em um espaço de leitura.

 

10h às 16h – Mediação de Leitura, com Collectivus de Leitura

A mediação de leitura é um importante instrumento na promoção do encontro entre os livros e os leitores. Por meio do mediador de leitura, os livros ganham vida e nos apresentam possibilidades de mundos, nos trazem emoções e estimulam a imaginação. Além disso, a leitura partilhada potencializa a criação de laços entre as pessoas e os livros. O Collectivus de Leitura é um grupo interdisciplinar formado por pessoas ligadas às áreas de cultura e educação.

 

10h30 às 11h30 – Rádio de Rua Intelectualidade e Arte – Desdobramentos da Voz Feminina Negra e Periférica

A EE Reverendo Urbano de Oliveira Pinto realizará o programa Rádio de Rua com entrevistas e apresentação de músicas. As entrevistadas serão Laís da Lama, graduada em Artes Visuais, empreendedora, grafiteira, ilustradora, pintora, designer de joias e moda; Rafaela Procknov, graduada em Letras (Português-Espanhol), mestra e doutoranda em Literatura Hispano-Americana pela USP; e Sandra Salavandro Rodrigues, graduada em Letras (Português-Italiano), mestra em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa pela USP e professora da rede municipal de ensino. A abertura e o fechamento da rádio serão feitos com músicas e apresentações dos alunos e alunas. Na abertura, será apresentada a música “Bate a Poeira”, de Karol Conka, coreografada pelo aluno Ícaro, e, no fechamento, teremos uma apresentação de capoeira coordenada pelo aluno Thiago, da escola.

 

14h às 15h30 – Sarau dos Refugiados, com Débora Garcia

No contexto das ações culturais e políticas relacionadas ao acolhimento e ao cotidiano das pessoas refugiadas no Brasil, este encontro aberto traz realidades, fragmentos artísticos e manifestações das culturas de várias nacionalidades e da vida em refúgio. Participam do sarau convidados de diversas nacionalidades, como de Colômbia, Síria, Haiti, Congo e Palestina, e o grupo Os Escolhidos, formado por refugiados da República Democrática do Congo. A atividade será conduzida pela poetisa Débora Garcia. Débora Garcia é poetisa com ampla experiência na área do livro e da literatura. É assistente social, formada pela Unesp, profissão que exerce paralelamente ao trabalho artístico.

 

14h às 16h – Encontro na Praça, com o dramaturgo Lucianno Maza, Grupo Visão Periférica e Módulo de Teatro para Iniciantes e Pesquisa Teatral da Associação Jovens do Brasil e Aldeia Satélite

Este Encontro na Praça será marcado por reflexões sobre a produção de dramaturgia contemporânea, com apresentação de teatro e intervenção artística urbana. Para enriquecer o encontro com os atores, o dramaturgo Lucianno Maza participará de uma roda de conversa no final dos espetáculos. Lucianno Maza é dramaturgo, diretor, crítico e curador de teatro. Escreveu 15 textos e parte de sua obra foi publicada na Coleção Primeiras Obras, organizada por Ivam Cabral, resultando em uma indicação ao Prêmio Jabuti de Literatura – a principal premiação literária brasileira. Um segundo livro com sua dramaturgia foi lançado sob o título “Teatro” em Portugal e demais países da língua portuguesa. Sua peça “Temporal” é um dos elementos de estudo da tese de doutorado da USP intitulada “Entre a Tradição e a Ruptura na Dramaturgia Recente no Brasil: Modos e Modas”, de José Teotônio Sobrinho. Visão Periférica: Colunas Brancas, Quadros Negros (Intervenção Urbana/Performance) – a cada 100 pessoas assassinadas no Brasil, 71 são negras – segundo dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Jovens entre 15 e 29 anos são as principais vítimas. A partir dessa constatação e da leitura do livro “Pele Negra, Máscaras Brancas”, de Frantz Fanon, o grupo Visão Periférica propõe uma reflexão sobre as estruturas de opressão racial que operam socialmente hoje em nossa sociedade e que reproduzem heranças coloniais, tanto em suas dimensões físicas quanto psicológicas. Serão realizadas duas ações que, por meio da performance e do conceito de instalação – que pressupõe interação direta com o público –, problematizam as condições de trabalho e moradia da mulher negra brasileira e os aparelhos institucionais de coerção que veiculam o genocídio da população preta, pobre e periférica.

Pouco Importa”, peça do Módulo de Teatro para Iniciantes da Fundação Tide Setubal – Uma hora? Duas horas? Três? Por quanto tempo você já ficou numa fila? O que você fez enquanto esperava? Quanto tempo é possível esperar? Obrigadas a se relacionar socialmente por meio de diferentes sistemas de filas, os personagens revelam seus desejos, inquietações e preconceitos enquanto são lançadas ao “marasmo” da espera. “Pouco Importa” reflete sobre individualismos cotidianos, ansiedades do nosso tempo e sobre a nossa incapacidade de ação.

15h – Baú de Palavras da Biblioteca Paulo Leminski do CEU Parque Veredas

Um conjunto de palavras retiradas de livros com a temática da literatura negra do acervo da Biblioteca será disponibilizado de forma interativa ao público, possibilitando a formação de novas frases com o vocabulário desses livros e também o conhecimento sobre essas obras literárias.

 

15h30 – Gumboot Dance Brasil – “Yebo”

Gumboot dance (dança de botas de borracha) é uma forma de dança popular que foi criada pelos trabalhadores no século XIX nas minas de ouro e carvão da África do Sul. “Yebo” é o segundo espetáculo do grupo Gumboot Dance Brasil. Ele aborda a exploração ocorrida nas minas, retrata a história dos sete povos levados para a extração do minério e relembra a criação de um dialeto sonoro a partir das batidas das botas de borracha, que se origina na espera das mulheres por seus maridos mineiros durante a temporada de exploração das minas.
 

18h – Sarau das Mulheres recebe Sarau Alcova da Deusa

 

Todos os anos o Movimento de Mulheres da Zona Leste se reúne para organizar o Sarau das Mulheres de São Miguel, evidenciando suas capacidades artísticas, é o momento ímpar de celebrar as vitórias de todas as mulheres que estão mudando e transformando o século XXI, mulheres, que lavam, passam roupas, cozinham, educam os filhos e ainda trabalham para ajudar o marido. São Mulheres adolescentes, jovens, idosas; negras, brancas, mestiças, lésbicas, com deficiência: que acreditam na potencialidade e empoderamento de todas, em prol de uma sociedade justa, fraterna, alegre e solidária. Em um encontro poético e de muita atitude o Sarau das Mulheres recebe o Sarau Alcova da Deusa que surgiu em 2017 devido necessidade de um espaço que contemplasse não só a pluralidade artística como também a representatividade étnica e sexual. Nele ocorrem ações de temas atuais a serem discutidos e vetorizados

 

19h30 às 22h – Narrativas Sagradas para a Diversidade, com cortejo do Afoxé Filhos de Kaia saindo da Casa de Cultura de São Miguel – Antônio Marcos

Diante dos retrocessos que temos vivido, entre estes os que dizem respeito aos ataques à liberdade de expressão, sobretudo, aqueles episódios de violência vividos pelas comunidades de terreiro e suas lideranças religiosas, se fazem necessárias a união e a mobilização da sociedade civil e de todos aqueles preocupados com a construção de uma sociedade democrática, estruturada na pluralidade e na dignidade humana, para manifestar sua indignação e reafirmar o compromisso com os valores do estado democrático de direito. Nesse sentido, convidamos todas e todos para se unir ao encontro inter-religioso em defesa da liberdade de crença, das religiões de matriz africana e do estado laico. O encontro contará com a presença das seguintes lideranças e comunidades religiosas: Sacerdotisa Kaiaiojaré Estela Mar Monteiro com a comunidade do Ilê Axé Iemanja Ogunté e Boiadero Pedra de Cristal e também com o Afoxé Filhos de Kaia. Padre Ticão e comunidade da Paróquia São Francisco de Assis. Pai Dinho, diretor do Superior Órgão de Umbanda do Estado de São Paulo, com a comunidade do Templo de Umbanda Filhos da Luz do Cacique Pena Branca. Pastor Marco Davi, da Frente Evangélica pelo Estado de Direito. Carlos Eduardo Casemiro com a comunidade da Igreja do Rosário dos Homens Pretos de Penha de França. Com mediação do professor Waldir Aparecido Augusti, escritor, licenciado em Filosofia, bacharel em Teologia e coordenador da Escola de Cidadania da Zona Leste.

 

Terreiro São Lázaro Tombeici

Rua Urutu, 7 – Vila Jacuí


16h – Sarau Urutu recebe a Cozinha Ajeum – O Sabor das Deusas, com Priscila Novaes

O Sarau Urutu é um sarau de resistência. Realizado em rua homônima localizada à margem da linha safira da CPTM, as edições acontecem mensalmente na Rua Urutu ou no Terreiro São Lázaro Tombeici. Nesse dia, o Sarau Urutu recebe uma Oficina de Acarajé com Priscila Novaes, que é cozinheira desde 2009 e iniciou seu trabalho vendendo bolos e salgados para festas, além de se dedicar ao comércio de rua com venda de café da manhã e a oferta de suas iguarias em bares e eventos. Neste encontro haverá também, a exibição do curta-metragem Obreiros de Aruanda dirigido por Aline Fadlalah, Hozana Fraisleben e Natalia Bourguignon. Um contato com uma religião genuinamente brasileira. Em depoimentos, quatro umbandistas contam como é lidar com a mediunidade e o preconceito. Essa exibição é uma parceria com o Entretodos. Um encontro repleto de descobertas e conhecimento acerca da história afro-brasileira.

 

UBS Jardim Lapenna

Rua Serra da Juruoca, 367 – Jardim Lapenna

 

14h – Contação de História – “O Mundo no Black Power de Tayó”, de Kiusam de Oliveira

Era um vez uma menina chamada Tayó, que pode ser um espelho para esse mundo do black power que está de cara nova. Venha conhecer e escutar essa história e também participar da criação dela na oficina lúdica de contação de histórias com os idosos.

Público limitado: 40 vagas. Para mais informações, entre em contato pelo telefone: 2058-3722

 

Universidade Cruzeiro do Sul

Avenida Doutor Ussiel Cirilo, 93 – São Miguel Paulista

 

 

 

Universidade Cruzeiro do Sul

Avenida Doutor Ussiel Cirilo, 225 – São Miguel Paulista

 

9h30 às 11h30 – Pátio – Painéis Feira Preta: Bate-Papo de Jornalistas – Por uma Comunicação Preta

A comunicação é a condição por meio da qual a humanidade se desenvolveu culturalmente ao longo do tempo, sendo assim, todas e todos têm e exercem a capacidade de se comunicar e produzir cultura, sobretudo em seus locais de vivência. Entretanto, desde que esse fenômeno social se estruturou em uma indústria, ou seja, “nos veículos de comunicação”, o que menos se tem feito é potencializar essa capacidade inata do ser humano. Por muito tempo, muitas organizações progressistas negligenciaram o papel dos meios de comunicação nos processos sociais, enquanto isso, esse modelo capitalista, patriarcal, classista e racista produziu e continua produzindo efeitos devastadores, sobretudo em  países nos quais, historicamente, a população não teve acesso à educação de qualidade e vive em situação de desigualdade, como é o caso do Brasil, onde exerce uma influência desmedida. Texto por Bruna Rocha e Beatriz Vieira (Portal Geledés).

 

Painelistas

Pedro Borges, hoje com 25 anos, é formado em jornalismo pela Unesp, jornalista da Iniciativa Negra por uma Nova Política sobre Drogas (INNPD) e jornalista e cofundador do portal Alma Preta, um portal influente que traz diversos temas relacionados ao mundo negro, especialmente matérias sobre empoderamento negro, construção de uma identidade negra positivada e denúncia/combate ao racismo. Pedro Henrique Cortes ou PH Côrtes é um jovem negro de classe média que poderia ligar a câmera e fazer um canal falando sobre futebol e tênis bacanas, como muitos da idade deles fazem. Porém, com o apoio da família e muita curiosidade sobre sua ancestralidade, o garoto de 13 anos, que tem uma desenvoltura impressionante em seus vídeos, apesar da assumida timidez, resolveu fazer do seu canal no YouTube, PH Côrtes, um espaço de reflexão e crítica sobre questões relativas à comunidade negra. Um dos destaques é, sem dúvida, a série “Meus Heróis Negros Brasileiros”. Juliana Gonçalves, mulher negra e mãe. Jornalista formada pela Universidade Mackenzie, atuou como coordenadora de Comunicação do Centro de Estudos das Relações do Trabalho e Desigualdades (CEERT), onde escrevia sobre direitos humanos com ênfase na área de educação interseccionada com raça e gênero. Como militante, integra a Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial de São Paulo (COJIRA-SP). É pós-graduada em Jornalismo Literário. Junto com outras mulheres negras, articulou e organizou a Marcha das Mulheres Negras, que ocorreu em Brasília em 2015. Atualmente, é repórter do “Brasil de Fato”. José Nabor Jr., jornalista e fotógrafo do projeto “O Menelick 2° Ato – Afrobrasilidades & Afins”, que nasceu em maio de 2010. A revista é o mais importante braço da Mandelacrew Comunicação e Fotografia, que desenvolve trabalhos de redação jornalística, publicitária, assessoria de imprensa e fotografia. O nome é inspirado no jornal “O Menelick”, vinculado ao que se convencionou chamar de “Imprensa Negra” e que circulou em São Paulo nos anos 1910. Seu idealizador, na época, foi o poeta Deocleciano Nascimento. Oswaldo Faustino, jornalista desde 1976, além de escritor e estudioso de relações étnico-raciais. Atuou como repórter em rádio, TV, revistas e vários jornais, como “Folha de S.Paulo” e “O Estado de S. Paulo”, e como editor de Cultura de “Diário Popular”. É coautor (com Aroldo Macedo) dos livros “A Cor do Sucesso” (Gente, 2000), “Luana, a Menina que Viu o Brasil Neném” (FTD, 2000), “Luana e as Sementes de Zumbi” (FTD, 2007) e “Luana, Capoeira e Liberdade” (FTD, 2007) e dos gibis “Luana e Sua Turma” (Editora Toque de Mydas). É autor dos livros “Nei Lopes”, da coleção Retratos do Brasil Negro, e “A Legião Negra – A Luta dos Afro-Brasileiros na Revolução Constitucionalista de 1932”, ambos editados pelo Selo Negro Edições. É colaborador da revista “Raça Brasil” desde sua criação. Tem proferido palestras e ministrado minicursos para educadores sobre formas práticas de aplicação da Lei 10.639/03. Participou da “TV da Gente”, de Netinho de Paula, escrevendo e produzindo histórias, que apresentava no programa infantil da emissora interpretando o personagem Tio Bah. Mediação de Claudia Alexandre, radialista e apresentadora de TV, gestora em eventos (Senac), docente da Faculdade Hotec, graduada em Comunicação Social pela Fiam-SP; especialista em Ciências da Religião e mestranda em Ciências da Religião (PUC-SP), pesquisa cultura afro-brasileira (símbolo, rito e memória). Membro da CORIJA e da Rede das Culturas Populares e Tradicionais. Em 2014, foi comentarista do Carnaval de São Paulo, pelo Canal Viva (Globosat). Coordenadora do Portal Áfricas e apresentadora do programa “Papo de Bamba”.