Como atuamos

Programação Todos os Dias


Casa BeijAmô

Rua Flor de Madeira, 32 – Vila Santa Inês


16h30 às 18h30 – Oficina Varal de Luz

Na oficina Varal de Luz, os participantes serão convidados a construir sua própria câmera com uma lata e revelarão suas próprias imagens. A fotografia pinhole ou foto na lata, como é chamada, visa propiciar um primeiro contato com procedimento fotográfico e estimular o pensamento crítico na hora de fotografar. Os participantes também criarão uma imagem usando a técnica de fotografia pinhole e colagem a partir de trechos do livro “Olhos d’Água”, de Conceição Evaristo, e “Quarto de Despejo”, de Carolina Maria de Jesus. As imagens serão expostas ao público na Rua Andorinhas, Quadra do Litrão, s/n – União de Vila Nova.

Público: varredores do Projeto Varre Vila

 

EE Deputado João Dória

Rua José Alves Irmão, 30 – Itaim Paulista

 

9h30 13h e das 15h às 17h30 – Exposição Artística: Igualdade Racial

 

Confira a programação de exposições que a EE Deputado João Dória preparou para esta edição do Festival:

 

  • A Diferença entre os Iguais

Por meio da junção das linguagens da ilustração e da poesia, a artista Andressa Borges e o poeta Lucas Lima refletem um choque sobre o ato racista, que, de maneira deprimente, cultiva o ódio e a desigualdade entre as pessoas que não toleram as diferenças.

 

  • Palavras Poéticas de Sofrimento e Igualdade

A exposição contará com poesias elaboradas pelos alunos durante o processo de discussão sobre o racismo e o impacto causado pela sua prática. Com palavras poéticas, abordam temáticas como preconceito racial, cultura e identidade negra, igualdade, diversidade, violência, experiências e vivências.

 

  • A Cor do Seu Preconceito

A prática fotográfica tem como uma de suas funções, o registro e a disseminação de sua poética por meio da linguagem visual. Partindo desse conceito, alunos do Ensino Médio utilizam a mobgrafia (fotografia de celular) para criar fotos autorais sobre a desigualdade racial e a contribuição do negro na construção da nossa cultura e identidade. A exposição será o resultado dessa produção autoral e contará com legendas poéticas em cada trabalho produzido.

 

  • Capoeira e Hip Hop – A Mistura Perfeita

Com o objetivo de ampliar o repertório cultural e motor dos alunos por meio de informações e vivências, durante as aulas de Educação Física, eles obtiveram conhecimento sobre o histórico, os movimentos e os instrumentos da capoeira e também sobre os elementos do hip hop. Após as experiências, realizaram composições musicais e grafites com as temáticas abordadas.

  • Das Máscaras, a Expressão

Exposição de máscaras produzidas pelo Ensino Fundamental da EE Deputado João Dória que resgata as origens do teatro grego e a importância do uso de máscaras para a percepção da expressão das personagens. É um forma de evidenciar o símbolo teatral da tragédia e da comédia.

 

  • Caixas – O Fluxo da Vida

Baseados no Grupo Fluxus e sua ideologia de aproximação entre arte e público, alunos produzem suas caixas fluxus e abrem sua identidade à visitação do público. Dentro de uma caixa cabe uma imensidão de informações que norteiam a construção da bagagem cultural e pessoal que constituem o repertório de cada indivíduo.

 

  • Traduzir-se
    Inspirados no poema de “Traduzir-se”, de Ferreira Gullar, alunos do Ensino Médio produzem suas próprias versões do poema, nas quais podem, por meio da poesia, expor a dualidade do ser humano e interpretar a si mesmos, mostrando a percepção que têm si.

 

  • Exposição Raízes Negras

Uma árvore, cujas folhas apresentarão aos visitantes do evento fotos e histórias de heróis e heroínas negras que foram e são, até os dias atuais, protagonistas na luta contra a escravidão e outras formas de racismo presentes na sociedade. Trará também nomes de origem africana para que os visitantes observem e se identifiquem com a herança das mesclas de culturas.

 

  • Bonecas Abayomi

Bonecas da cultura africana produzidas pelos alunos e expostas durante os três dias de Festival do Livro e da Literatura de São Miguel. A escola precisa colocar os alunos em contato com os elementos que formam cada grupo brasileiro, para que eles sejam capazes de compreender a complexidade dessas identidades e, assim, se afirmar como cidadãos conscientes de seus direitos e deveres.


Galpão de Cultura e Cidadania

Rua Serra da Juruoca, 112 – Jardim Lapenna

 

9h às 18h – Exposição Quilombola – O Reflexo da Resistência

Atualmente, temos no Brasil mais de 3 mil comunidades quilombolas que continuam a lutar pelo seus direitos. São símbolos de garra e resistência. Neste ano, o Festival do Livro e da Literatura de São Miguel traz como temática a equidade racial e, por isso, o Ponto de Leitura do Jardim Lapenna realiza uma exposição que nos convida a conhecer um pouco da trajetória das comunidades quilombolas do Amazonas, por meio de imagens e espelhos, afinal a história do povo brasileiro também está refletida em você!

Intercâmbio com residentes do Instituto Maria e João Aleixo (Maré/RJ)

Itinerante

Com o propósito de constituir experiências inovadoras de formação, vivência e produção de conhecimento sobre as periferias urbanas e contemporâneas, em suas múltiplas composições inventivas, com êfase nas diferentes práticas no campo da morada social, da cultura e da comunicação, o Instituto Maria e João Aleixo em parceria com a Fundação Tide Setubal promoverá encontros e intervenções com os residentes do curso “Inventividades Socioculturais das Periferias Urbanas” em algumas atividades ao longo da programação.

Praça Morumbizinho

Praça Fortunato da Silveira (em frente à Universidade Cruzeiro do Sul) – São Miguel Paulista

 

10h às 16h • Feira de Troca de Livros e Gibis

A Feira de Troca de Livros e Gibis, realizada pelo Serviço de Extensão da Coordenadoria do Sistema Municipal de Bibliotecas (CSMB), tem como objetivo promover a leitura, criando oportunidade para que o público atualize ou amplie sua biblioteca pessoal sem custos, trocando um título, já lido ou não, por outro de seu interesse. As trocas poderão ser feitas diretamente entre os usuários e as bancas ou entre si. Os livros estarão separados por literatura brasileira – clássicos e contemporâneos –, literatura estrangeira (traduzidos), outros idiomas, poesias, contos, crônicas e teatro, religião e autoajuda, artes, juvenil, infantil, gibis, audiolivros, mangás e quadrinhos. Exige-se apenas que os livros não sejam didáticos e que estejam em bom estado de conservação.

 


9h às 21h – Venda de Livros

Durante todo o Festival, acontecerá uma grande feira de livros com a comercialização de diversos títulos de diferentes editoras, como Martin Claret, Editora 34, Edipro, Biqueira Literária, , Perspectiva, Rádio Londres, Girassol, Todolivro, Ciranda Cultural, DCL, Melbooks, Móri Impressões, além das editoras e autoras(es) parceiras(os) da Feira Preta Literatura, como Quilombhoje, Editora Nós, Livraria Africanidades, Thayame Porto, Andrio Candido e Kitabu, entre outros. Todos os livros podem ser adquiridos com descontos a partir de 30%.

 

9h às 21h – Biqueira Literária

Banca de venda de livros organizada pela Edições Um por Todos que reunirá títulos de poetas e escritores da literatura marginal-periférica ligados a saraus e outras atividades da cidade de São Paulo. O título faz referência às “biqueiras”, pontos clandestinos de venda de drogas ilícitas, e baseia-se também no poema de mesmo nome, de autoria de Rodrigo Ciríaco, que traz em seus versos o refrão “Vendo pó. Vendo pó... Vendo pó...esia!”. Justifica-se, ainda, por reunir obras de autores muitas vezes marginalizados não apenas no mercado editorial, mas em feiras e festas literárias Brasil afora.

 

9h às 21h – Ocupação Feira Preta Afroliterária

A Feira Preta está de olho nos grandes movimentos da inovação no país, nas áreas de tecnologia, economia criativa e afroempreendedorismo. O Festival Feira Preta de múltiplas linguagens e reunirá as principais tendências afrocontemporâneas em moda, design, arquitetura, empreendedorismo, literatura, música, artes visuais, gastronomia, workshops, diálogos criativos, entre outros. O evento neste ano ocorrerá em formato de calendário especial em comemoração ao mês da Consciência Negra, que abrigará uma programação com uma série de atividades descentralizadas na cidade de São Paulo em formato de ocupação de espaços públicos e privados. O formato dessa iniciativa está pautado em três pilares: Comunicação + Territórios + Conteúdos. Para esta edição especial, contando com a parceria da Fundação Tide Setubal, a Feira Preta fará parte da programação do Festival do Livro e da Literatura de São Miguel e será em formato de ocupação, na Feira Preta Afroliterária no pátio da Universidade Cruzeiro do Sul e na tenda de Venda de Livros do Festival. Na ocasião, contaremos com afroempreendedores na Feira Preta Pátio Unicsul, com mesas de debate acerca da literatura afro-brasileira nos Painéis Feira Preta e com a feira de livros Feira Preta Literatura na tenda de Venda de Livros do Festival, nos dias 8, 9 e 10 de novembro, a partir das 9h da manhã. A Feira Preta Pátio Unicsul contará com a participação dos seguintes afroempreendedores nas linguagens de moda e artesanato: Mama Nossa Cultura, Africanize-se, Bonecas Makena, Leila Garcia Acessórios, 16 Toneladas, Valéria Pimenta Artesanatos, Ojire – Moda Afro, Ixii Store, Contapraela, Sara Acessórios, Ateliê Ms. Vee & Duo, Callicore, Da Cor Da Pele, Raiz Blac, Resisto Opm, Nega Antônia, Lu By Lara, Rainha Nagô, Negríssima, Afro Raízes e Torquato Moda e Acessórios. Já a Feira Preta Literatura contará com a presença de diversas editoras, autoras e autores que trabalham com a literatura afro-brasileira. Saiba mais sobre essa atividade na programação da Venda de Livros.. E para acompanhar a programação das mesas de debate dos Painéis Feira Preta, confira a programação dia a dia do Festival nas próximas páginas deste livreto.