Notícias

Encontro de Cultura Caipira e Festa Julina valorizam cultura popular em São Miguel Paulista


PROGRAMAçãO CULTURAL | MúSICA | GALPãO | FAMíLIA | CDC 13/07/2017

Nos meses de junho e julho, duas festas organizadas pela Fundação Tide Setubal, em parceria com organizações locais valorizaram costumes tradicionais, comidas típicas e muita música e dança: o 11º Encontro de Cultura Caipira e a Festa Julina do Galpão de Cultura e Cidadania.

Nos dias 23, 24 e 25 de junho, a praça Morumbizinho, em São Miguel Paulista, foi palco de apresentações culturais, uma feira de artesanato e de diversas barracas de comidas e bebidas durante o Encontro de Cultura Caipira. A festa, com decoração caprichada e até mesmo uma fogueira de São João, atraiu ao todo um público de 6 mil pessoas de todas as idades.

“Os costumes e o modo de vida nordestinos fazem parte da cultura de São Miguel Paulista”, afirma Inácio Pereira dos Santos Neto, coordenador da programação cultural da Fundação Tide Setubal. “Com a mudança do evento para a Praça Morumbizinho, mantemos viva uma tradição de festa da comunidade, antes realizada em um Clube da Comunidade, trazendo para a praça esses festejos e promovendo a integração com os demais bairros no circuito de festas”. A escolha do novo local ocorreu devido a reformas no Clube da Comunidade (CDC) Tide Setubal, que, em breve, será o CEU São Miguel.

A programação do evento valorizou as expressões tradicionais da cultura brasileira, como as rodas de jongo, as músicas e danças afro-brasileiras e o som das violas e do acordeon. O Trio de Forró Flor de Muçambê abriu as atrações durante os três dias de festa, e empolgou-se com a animação das pessoas, que dançaram durante toda a apresentação. “Gostei muito de ver um público tão grande na praça. É ótimo trazer a cultura nordestina para as pessoas e ver o forró, que no passado já foi discriminado em São Paulo, ser bem aceito até mesmo pelos jovens”, afirma o vocalista da banda, Givanildo Severino da Silva, o Gil.

Na sexta-feira, a festa continuou com rodas de dança e canto da comunidade de Jongo de Embu das Artes e da Orquestra Sanfônica de São Paulo, que embalou os festejos ao som do arcodeon. O público também pode se divertir com a quadrilha junina formada pelo grupo ‘Ao Abrir das Cortinas’, da Sociedade Amigos do Jardim Lapenna.

O festejo seguiu no dia 24 com a Congada de Santa Ifigênia; o grupo JabutiCaqui e a apresentação da Orquestra Piracicabana de Viola Caipira. No sábado, a festa contou com a participação de Paula Galeano, superintendente da Fundação Tide Setubal, e Edson Marques Pereira, Prefeito Regional de São Miguel Paulista. Em sua fala, Paula agradeceu a presença de todos, comentou o sucesso da festa no novo local e relembrou o histórico do Encontro de Cultura Caipira. “Pela primeira vez não realizamos a festa no CDC Tide Setubal, pois ele está em obra e esperamos que logo dê lugar ao CEU São Miguel”, afirmou. O Prefeito Regional endossou o compromisso com a criação do equipamento educacional. “Vemos aqui a valorização das organizações e a colaboração com a comunidade. E queremos repetir essa abertura para a participação de todos no CEU”.

O evento ainda seguiu com os grupos Catira Botas de Ouro, que apresentou coreografias diferenciadas e ritmadas, o Batakerê, que explorou o cruzamento entre a dança, música e brincadeiras, e a Orquestra de Berimbaus do Morro do Querosene.

Sandra Antonini, que veio ao Encontro pela primeira vez, empolgou-se com o uso do espaço público por um público tão grande. “É muito bom ver a praça cheia e movimentada”, afirma. Ela também gostou dos diferentes estilos musicais apresentados. “Foi a primeira vez que vi uma Congada e adorei”.

A indicação de uma amiga foi o que motivou Andréia Vilela a participar da festa, e os comes e bebes agradaram. “Gostei muito da variedade de comidas e bebidas, e a decoração está linda”, afirma.

Valdeísa Vidal mora perto do CDC e é frequentadora assídua dos Encontros de Cultura Caipira da Fundação há vários anos. “Gosto muito dessa festa pelo resgate cultural e pelas comidas típicas”, diz Valdeísa enquanto o seu marido canta junto ao grupo JabutiCaqui.

Galpão em clima de festa

Com o tema “No cultivo do afeto, o humano reinventa o seu tempo”, a sétima edição Festa Julina da Fundação Tide Setubal aconteceu nos dias 8 e 9 de julho, no Galpão de Cultura e Cidadania[FN1] e foi realizada em parceria com a Sociedade Amigos do Jardim Lapenna e apoio do Procedu, Prefeitura de São Paulo, Governo do Estado de São Paulo, UBS Jardim Lapenna, S.O.S Lapenna, CEI Jardim Lapenna, CEI Jardim Lapenna 1, APS Santa Marcelina, E.E. Pedro Moreira Matos e União Comunitária de Mulheres do Jardim Lapenna.

No sábado, o dia começou com o Trio Rastapé Flor de Muçambê, parceiro de longa data da Fundação Tide Setubal. Na sequência, os jovens do Grêmio da EE Prof Pedro Moreira Matos apresentaram uma música de composição própria sobre a importância do afeto e da amizade. Então, foi a vez da apresentação do grupo Dança Alienados, com o Centro Social Marista Irmão Justino, seguidos por uma roda de conversa sobre comunicação e cultura Popular e um desfile de bonecões com Sucatas Ambulantes.

Na parte da tarde, aconteceu o desafio de Rap e Repente, com Peneira e Sonhador & MC Fabiano e MC Bruno, e o show do FB Samba & Cia. As crianças que passaram pela festa puderam brincar em diversas barracas, em um pula pula e também em uma cama elástica, além de participar de atividade com os jovens do Toque de Letras. Mais tarde, foi a vez de todos assistirem as quadrilhas do CEI Jardim Lapena. E o sábado ainda seguiu com show de Moda de Viola com IPGG José Ermírio de Moraes, da Comunidade Jongo Embu das Artes e com um concurso de dança do Baile da Alegria, apresentado por Dona Glória.

Para finalizar a festa, foi a vez de crianças e jovens participarem da Quadrilha da Fundação Tide Setubal e CCA Procedu Jardim Lapenna. Batizada de A grande festa de cultivar afetos, a apresentação enfatizou a importância das amizades e da união para que as pessoas se mobilizam e lutem por seus direitos.

No domingo, a festa começou com a tradicional Missa Caipira na Igreja Católica Jesus Mestre, seguida pela Congada Nossa Senhora do Rosário. Na sequência, aconteceu uma apresentação de Hip Hop Caipira do CCA Procedu Jardim Lapenna, e depois o Trio Rastapé Flor de Muçambê animou o público.

Na parte da tarde, após as brincadeiras e desafios com Jovens do Toque de Letras foi a vez da Banda Kayala tocar sucessos do pop, com a Sociedade Amigos do Jardim Lapenna. O show foi seguido pela apresentação da dupla Danilo e Larissa, que tocaram sertanejos e fizeram todo mundo cantar junto.

No final da tarde, uma grande roda composta por adultos, crianças e jovens do grupo Abuse Capoeira mostrou suas habilidades na luta. Simone Ribeiro começou as aulas de capoeira há dois meses no Galpão, e essa foi sua primeira apresentação. “Fiquei nervosa mas foi muito legal”, conta.

Em seguida, o Grupo de Coco Pé de Bananeira levou ritmos e cantos tradicionais para a festa, e terminou sua apresentação encaminhando todos para o Galpão, onde a quadrilha aconteceu mais uma vez.

Helena Rosas, moradora da região, estava animada para ver seus filhos de 9 e 11 anos dançarem. “Todo ano eu venho e meus filhos adoram participar da quadrilha. Que a Festa Julina continue sempre assim”, afirma.