Notícias

Fundação Tide Setubal coordena GT sobre orçamento da Rede Nossa São Paulo


INFLUêNCIA EM POLíTICAS PúBLICAS | FORTALECIMENTO 30/11/2017

Na última quarta-feira, 29 de outubro, o Grupo de Trabalho (GT) Orçamento da Rede Nossa São Paulo reuniu-se na Fundação Tide Setubal para planejar sua atuação para 2018.

O orçamento público, fundamental ao funcionamento das cidades, é muitas vezes ignorado pela sociedade civil por conta de seu caráter árido e complexo. Mas sua análise é fundamental para o combate às desigualdades. “Para reduzir as desigualdades, claramente você precisa ampliar a capacidade de investimento da Prefeitura nas regiões que mais precisam, e para isso é necessário aprofundar o modelo de orçamento da cidade”, afirma Américo Sampaio, gestor de projeto da Rede Nossa São Paulo. “Frente a isso, concluímos que, se a gente conseguir descentralizar e regionalizar o orçamento para saber para onde ele está indo, sem dúvida teríamos mais clareza sobre se esse dinheiro está indo para as regiões que mais precisam. Nesse contexto, pensamos em reativar o GT Orçamento”.

A convite da organização, a Fundação Tide Setubal assumiu a coordenação do grupo de trabalho. “A ideia de reativar o GT surgiu em uma reunião entre a Fundação Tide Setubal e a Rede Nossa São Paulo no começo do ano, na qual falamos sobre nossa preocupação com a questão do orçamento e a importância de termos dados territorializados. Houve muita sinergia. No reconhecimento da rede Nossa São Paulo, a Fundação tem um poder de articulação e de mobilização de atores da periferia, então nos chamaram para sermos animadores deste GT”, afirma José Luiz Adeve, coordenador da Fundação Tide Setubal.

Com presença de representantes da Fundação Tide Setubal, Fundação Getúlio Vargas, Instituto Pólis, Teto, Fórum de Cultura da Zona Leste, Escola de Governo e da Rede Nossa São Paulo, o encontro discutiu a importância da descentralização dos recursos do município e possíveis formas de contribuir com o que já vem sendo feito na cidade em termos de análise do orçamento, e pactuou os primeiros passos para a reativação do GT.