Quem somos

Quem foi Tide Setubal


Mathilde de Azevedo Setubal, Tide Setubal, nasceu em 19 de março de 1925, em São Paulo, e faleceu no dia 2 de outubro de 1977, também na Capital. Filha de Aldo Mário de Azevedo e de Alice de Lacerda Azevedo, era neta do senador Lacerda Franco. Fez seus estudos no Colégio Des Oiseaux e formou-se em Filosofia na Faculdade Sedes Sapientae. Em 1946, casou-se com o engenheiro Olavo Setubal.

Mãe de sete filhos, desde jovem Tide Setubal se destacou na realização de atividades públicas, tais como ser oradora da turma e desenvolver trabalhos sociais nas regiões pobres da cidade. No entanto, pode-se dizer que foi nos dois anos em que esteve à frente do Corpo Municipal de Voluntários (CMV) que sua atuação social se realizou de forma mais sistematizada e com maior abrangência.

Quando Olavo Setubal foi nomeado prefeito, em 1975, ela sentiu-se com a responsabilidade de desenvolver um trabalho de maior alcance em favor das populações da periferia de São Paulo e assim criou o CMV. Inicialmente composta por cinco voluntárias, a instituição passou a reunir mais de 400 mulheres.

Tide SetubalCom o olhar de hoje, impressiona a visão avançada de Tide Setubal acerca do que seria um trabalho social voluntário. O CMV iniciou suas atividades sob uma ótica inovadora, quando a maioria das entidades sociais brasileiras desenvolvia ações pautadas por uma visão estritamente assistencialista. Tide Setubal procurou desde o começo buscar apoios na comunidade em que estava atuando e no poder público, ao mesmo tempo em que capacitou profissionais envolvidos no trabalho.

Para ela importava realizar um trabalho integrado num único esforço, num único ideal, numa única meta, que é o homem. Sua dedicação a esse objetivo foi total até os últimos dias de vida, quando mesmo na cama, realizou reuniões e acompanhou com detalhes todo andamento das atividades do CMV.

Em reconhecimento por essa dedicação, em seu enterro, recebeu uma emocionada homenagem do então Arcebispo de São Paulo, Dom Paulo Evaristo, o Cardeal Arns, e de centenas de mulheres que, de forma comovida, acompanharam a cerimônia vestindo aventais rosa, marca identificadora das voluntárias do CMV.