Notícias

Não adianta pensar em políticas públicas se não houver diálogo com quem recebê-las - Fundação Tide Setubal entrevista Fabiana Ivo


INOVAZL | FUNDACAOTIDESETUBALENTREVISTA | @COMUNICACAO 26/05/2020

Por Amauri Eugênio Jr. / Foto: Arquivo pessoal


A crise causada pela pandemia de Covid-19 tem causado complicações diversas para a população. De acordo com a pesquisa Viver em São Paulo: Especial Pandemia, realizada pela Rede Nossa São Paulo em parceria com o IBOPE Inteligência, 64% dos entrevistados tiveram diminuição de renda total ou parcial - dentro desse grupo, 22% perderam integralmente o rendimento em virtude desse cenário.

A situação é traumática também para microempresários e empreendedores periféricos. Apesar de o governo federal ter lançado uma linha de crédito de R$ 40 bilhões para esse mesmo público no fim de março, a maioria deles relata ter encontrado dificuldades diversas para acessá-lo. Para atender este grupo, a Articuladora de Negócios de Impacto da Periferia (Anip), que é composta pela A Banca, Artemisia e FGVcenn, e o Banco Pérola desenvolveram o Fundo Volta por Cima, que visa apoiar empreendedores de negócios de impacto em periferias urbanas afetados pela Covid-19 e prevê a concessão de empréstimos a juro zero. Em entrevista à Fundação Tide Setubal, Fabiana Ivo, coordenadora pedagógica da produtora sociocultural A Banca e gestora operacional da ANIP, fala sobre o cenário enfrentado por moradores e microempreendedores das periferias urbanas, e do Fundo Volta por Cima.


Como o discurso negacionista reverbera entre os empreendedores dos territórios e que problemas com iniciativas como o auxílio emergencial amplifica esse cenário?

Este discurso impactou diretamente. Enquanto o presidente não havia feito publicamente comentários negacionistas, as pessoas estavam muito mais reclusas. Após ele ter dito na TV que se tratava de “uma gripezinha”, as pessoas voltaram a trabalhar e a ficar na rua. Quando veio a proposta do auxílio emergencial, a maioria das pessoas já estava em busca de outros meios de sobrevivência e quem era empreendedor formal havia voltado para a rua. Observamos que a maioria dos empreendedores de negócios de impacto estava buscando por outras formas para manter os seus negócios. A maioria dos que a gente tem acompanhado não havia entrado para o auxílio emergencial, sendo que muitos deles estavam em análise - outros, que tiveram análises negadas, precisaram se reinscrever.

Eles têm buscado ferramentas de trabalho via e-commerce e WhatsApp, e quem trabalhava no offline está buscando o caminho online. Há alguns que têm buscado outros meios de sobrevivência, deixando até mesmo os próprios negócios de lado, para poderem se manter neste momento, pois não conseguem sequer ter acesso ao auxílio emergencial.


Até que ponto o e-commerce e as redes sociais são válidos para empreendedores periféricos? E quando isso passa a camuflar as reais necessidades deles?

Dos 30 negócios que a Anip acompanha, em média 18 têm convertido as suas ações - ou parte elas - para a internet. As pessoas têm até dificuldades para manter os seus negócios a distância, pois a conexão de internet que chega às periferias é muito ruim. O cenário para os empreendedores de impacto que a gente tem acompanhado está muito difícil. Além de ser uma crise financeira até então desconhecida, pois as pessoas não podem estar juntas, as ferramentas disponíveis também o são. Ainda há um período de entendimento de como usar e qual é o impacto financeiro.


Como a pandemia tornou ainda mais evidente a desigualdade entre Centro e periferias? De que forma ela impactará as vidas de empreendedores periféricos?

A maioria dos negócios acompanhados pela Anip atende e vende para clientes que são e estão nas periferias. Houve redução de gastos, pois as pessoas estão comprando o básico para poderem sobreviver à crise. Isso fez alguns dos negócios sentirem, logo na primeira semana de pandemia, uma queda financeira, e alguns deles precisaram entrar em plataformas como o Matchfunding Enfrente para se manterem por dois ou três meses. Para alguns, se não fossem as vaquinhas online, já estariam quebrados, pois são negócios que  não tem nenhum fundo que investe neles,  não têm caixa estruturado para pensar em longo prazo. Passados mais de 40 dias, a gente começa a perceber que as tentativas de sobrevivência são diversas, mas têm inúmeras dificuldades.


Como foi o desenvolvimento do Fundo Volta por Cima? Quais efeitos a iniciativa visa proporcionar para os empreendedores que recorreram ao projeto.

 

O Fundo Volta por Cima foi pensado de modo muito rápido. Dentro da Anip, a gente já tinha um espaço para a existência em médio prazo de um fundo de investimento, mas ainda não havia olhado para ele com tanta intensidade - com o surgimento da pandemia, foi possível perceber essa necessidade. Ao pensarmos em maneiras para manter os negócios periféricos anteriormente acelerados pela Anip e por outros programas da Artemisia, foram iniciadas conversas com o Banco Pérola, que já era um agente financeiro importante no ecossistema de negócios de periferias, por olhar de modo diferente para esse cenário. Nenhuma outra fintech foi procurada além do Banco Pérola exatamente por ter compreendido como nenhum outro o empreendedor de periferia dentro do cenário financeiro.

Conversamos por pelo menos 30 dias para compreender o cenário e as formas para buscar parceiros financeiros, pois a Anip não tem condições de bancar sozinha um fundo como esse. Buscamos os apoiadores e, para a nossa surpresa, a maioria aceitou imediatamente - inclusive, alguns conectaram as suas redes para poderem fortalecê-lo. O fundo foi aberto especificamente para negócios acelerados pelo programa da Anip e da Artemisia; porém, houve um recorte para atender às iniciativas que estão nas periferias. Pensamos em cerca de 50 negócios, e foi aberto um processo seletivo de seleção de documentos - o fechamos no dia 11. Na próxima etapa, possivelmente, a gente abrirá para outros negócios que se inscreveram recentemente no Lab Nip, pois a gente compreende que eles precisam também do mínimo de manutenção para sobreviver, principalmente durante o período de formação.


Isso influencia também em repensar os modelos de negócios, correto?

Pergunta-se muito sobre quais impactos estas empresas causam e como ampliá-los neste momento. Ao pensar-se na cadeia de empregabilidade e na inclusão produtiva, como olhar para esse cenário daqui a três meses? Por exemplo, talvez o meu negócio salvará um, dois, três ou dez pais de família desempregados neste momento. Esse foi o lugar que procuramos fortalecer com os negócios e, por mais que o cenário não seja animador, a gente tenta fortalecê-los com a perspectiva de que talvez, daqui três ou cinco meses, esse seja um negócio apto a manter empregos de algumas pessoas que estão na comunidade.


Falando na acentuação de desigualdades, como o cenário atual tornou ainda mais evidente para o poder público que é fundamental desenvolver iniciativas para combater o abismo social existente e apoiar iniciativa de impacto social nas periferias urbanas?

As políticas públicas assistenciais e emergenciais sempre estiveram no cenário da Anip e d’A Banca. A gente já discutia isso havia algum tempo e não deixamos de fazê-lo porque começamos a olhar para o cenário de negócios de impacto. Discutir espaços como a Ade Sampa, que faz a manutenção mínima de política pública que atende a empreendedores, sempre foi parte do nosso cotidiano. Compreender isso fortaleceu o que a gente já vem construindo em nossa narrativa: os governos municipal e estadual têm de fomentar editais e possibilidades que tenham negócios de impacto para a linha de frente. Não adianta somente dar formação. Vemos, por parte do poder público, propostas de formação para negócios de periferias, mas sem lastro financeiro. Sem isso, os negócios não conseguem sequer participar da formação, pois uma coisa está ligada à outra.


Como você vê que o apoio à população repercute de modo benéfico para a manutenção de negócios de empreendedores periféricos, em relação a fomento e apoio financeiro?

Temos acompanhado nas redes sociais os editais que têm sido abertos pelas iniciativas pública e privada para apoio a pequenos empreendedores. Observamos também a análise desses empreendedores sobre a queda de valores em editais: antes, o valor de manutenção era para seis meses, mas há nesse momento propostas de seis meses que não possibilitariam um negócio sobreviver por um mês. Não adianta aumentar os números de editais e diluir os valores. Se cem vagas forem abertas, mas com estímulo de R$ 2,5 mil, qual será o recado para o empreendedor? Que assim será a cada mês?

É fundamental compreender o cenário financeiro nos editais públicos e privados. Alguns foram abertos recentemente pelo poder público na área cultural, mas as propostas eram para discutir a pandemia neste momento ou depois. A maioria dos empreendedores das periferias diz que não é possível saber como será o pós-pandemia ou o quanto irá durar. Sendo assim, é possível pensar em ações durante, mas não após, e a mesma lógica vale para não ser possível pensar em ações de longo prazo neste momento - e dentro da lógica de escuta. Sempre falamos que não adianta pensar em nenhum tipo de política pública se não houver diálogo com a base que recebê-la. Essa é a questão agora, pois os editais vêm de cima para baixo e não há conversas com organizações, negócios e empreendedores, e em muitas vezes as possibilidades não dialogam com a realidade das pessoas.


Como o apoio à população para a renda emergencial e básica pode ser benéfico para os empreendimentos, seja pelo consumo, pelo apoio ao serviço implantado?

A renda básica já deveria ter sido pensada. Ao ouvir o que tem sido publicado, o governo federal identificou milhões de invisíveis, mas invisíveis aos olhos de quem? Eles sempre estiveram nas periferias e foram empreendedores informais ou buscavam a formalidade via MEI, e não deixaram de pagar os seus impostos. Como eles podem ser considerados invisíveis? Pensar em renda básica tornou-se algo fundamental para a manutenção das vidas das pessoas. Tenho visto muito mulheres empreendedoras que acessaram os R$ 1,2 mil, o que salvou o mês delas e da família. Como fica agora, sem saber quando sai a segunda parcela e sem saber se sairá a terceira? Algumas empreendedoras estão retornando ao trabalho, mas têm receio de voltar e contaminar os filhos. Essa é uma forma de dizer que, lá na frente, talvez ela não receba a segunda e a terceira parcelas, pois o negócio dela deverá estar aberto.

Para nós, na Anip, sempre foi muito importante discutir com os privados. Onde estamos? Quais são os cinco grandes donos de recursos financeiros no Brasil? Eles têm bases fortalecidas neste momento. O que fica de proposta para o futuro é pensar, enquanto políticas públicas e privadas, como esses dois lugares podem se apoiar para fortalecer os milhões que precisam do mínimo de subsistência no cenário pós-pandemia. Isso está diretamente ligado às vendas e à manutenção desses empreendedores, pois os indicadores de desemprego aumentarão drasticamente daqui para frente. Como a gente mantém esses empreendedores, uma vez que, talvez, eles sejam os que mais empregam na base da pirâmide?