1 Fundação Tide Setubal
Imagem do cabeçalho
Imagem do cabeçalho

Material de apoio e dicas para o trabalho de letramento racial

Prática de desenvolvimento

25 de outubro de 2017
Compartilhar:

A partir do artigo Letramento racial: um desafio para todos nós, Neide A. de Almeida,  socióloga, Mestre em Linguística Aplicada ao Ensino de Línguas e coordenadora do Núcleo de Educação do Museu Afro Brasil, preparou um série de perguntas com dicas e matérias de apoio para que os professores trabalhem o tema na escola.

 

1 – É fundamental que as escolas se comprometam com a implementação da Lei  n° 10.639/03 e  a 11.645/08, abordando a história e as culturas africanas, afro-brasileiras e indígenas de forma orgânica e sistemática. As ações em datas específicas, como o 20 de novembro, são importantes, mas insuficientes. Essas temáticas precisam ser incluídas em todas as esferas da vida escolar

 

Você conhece a lei 10.639/03?

 

Você já se perguntou sobre os efeitos provocados pelo fato de nossa história ser contada, quase exclusivamente a partir da perspectiva eurocêntrica?

 

Que materiais você conhece e que abordam essas temáticas?

 

 

Dicas

 

  1. conheça o Museu Afro Brasil  www.museuafrobrasil.org.br
  2. leia: http://www.guarulhos.sp.gov.br/sites/default/files/ashanti_0.pdf

 

 

2 – Admitindo que o racismo é questão atual, os currículos têm de ser discutidos e atualizados de modo que coloquem  perspectivas negras em evidência. É preciso incluir autores que representem a perspectiva africana e afro-brasileira nas diferentes áreas de conhecimento. É urgente também ler sobre distribuição de renda, escolaridade, moradia da população negra. Perceber que as identidades raciais são construídas e conhecer a História são ações fundamentais para enfrentar  o racismo e preconceito

 

Em que lugares de nossa cidade há maior concentração de moradores negros? E de brancos?

 

  1. Qual a porcentagem de alunos negros que estudam nas universidades públicas?
  2. Quantas crianças negras estão fora da escola? E quantas crianças brancas?
  3. Quem são as pessoas que ocupam os principais lugares de poder na cidade, no país em que vivemos?

 

Dica de leitura:https://www.geledes.org.br/relatorio-da-onu-diz-que-brasil-tem-racismo-institucional/

 

 

3 – Como professores e gestores lidam com as manifestações racistas que ocorrem no espaço escolar? Elas são explicitadas? Discutidas? A escola investe na formação de seus docentes para a abordagem das relações étnico-raciais? Embora ainda insuficientes há, hoje, importantes ações, pesquisas e materiais a respeito dessa temática. E eles precisam integrar os referenciais para toda ação docente.

 

Em um país em que a maioria é “preta ou parda”, de acordo com as categorias utilizadas pelo IBGE,onde estão os médicos, escritores, engenheiros, advogados negros?

 

  1. E a respeito das cotas, você é a favor ou contra? Já parou para refletir a respeito desse tema tão polêmico?
  2. Se você é professora ou professor já incluiu esse tema em suas pautas de estudo e de ensino?

 

 

Dica de leitura: https://www.cartacapital.com.br/politica/a-educacao-colabora-para-a-perpetuacao-do-racismo

 

 

4 – Cabe à escola apresentar aos estudantes a diversidade não apenas de textos, de temas, mas também de concepções de mundo, de modos de fazer e dizer. Assim, é fundamental que as escolas se perguntem a respeito da presença e da representatividade de autores e intelectuais negros em suas bibliotecas. Qual o lugar destinado às práticas de oralidade, tão importantes para os povos africanos e para nós, brasileiros? No cotidiano, no trabalho com a literatura, por exemplo, quantos livros de autores e autoras negras são apresentados aos alunos? Quais são as oportunidades proporcionadas para o contato com as personagens negras criadas por esses escritores e escritoras?

  1. Quantos médicos negros você conhece?
  2. Quantas advogadas negras? Engenheiros? Escritoras?
  3. Você já ouviu esses nomes: Juliano Moreira, Teodoro Sampaio, Luís Gama, Ruth Guimarães?  Sabendo que são importantes personalidades de nossa história, por que será que pouco se sabe a respeito de suas histórias e de sua atuação na construção do nosso pais?

 

 

Dica: acompanhe a divulgação do Letras pretas: poéticas de corpo e liberdade – Festival do Livro e da Literatura de São Miguel Paulista

 

Dica de leitura: http://nossaescrevivencia.blogspot.com.br/

 

Assista ao vídeo “O perigo da história única”

 

 


Compartilhar:

Notícias relacionadas

Nós utilizamos cookies para melhorar a experiência de usuários e usuárias que navegam por nosso site.
Ao clicar em "Aceitar todos os cookies", você estará concordando com esse armazenamento no seu dispositivo.
Para conferir como cuidamos de seus dados e privacidade, acesse a nossa Política de Privacidade.